Campanha Pelo Subsídio

.

Últimas notícias de João Pessoa e todo o estado da PB. Acompanhe informações de trânsito, tempo, agenda cultural, telejornais e coberturas especiais da TV Cabo Branco e TV Paraíba

  1. Assista aos vídeos do telejornal com notícias do estado. Assista aos vídeos do telejornal com notícias do estado.

  2. Com o grupo, foi apreendida a quantia de R$ 2 mil. Segundo a Polícia Civil, o montante tinha, pelo menos, três cédulas falsas. Trio é preso suspeito de aplicar golpes em comerciantes de São Bento, no Sertão da Paraíba Polícia Militar/Divulgação Dois homens e uma mulher foram presos nesta segunda-feira (11), suspeitos de aplicar golpes em comerciantes que trabalham no Shopping das Redes, em São Bento, no Sertão da Paraíba. O grupo usava uma Kombi para transportar os produtos comprados com cédulas falsas. Segundo informações da Polícia Civil, quando os comerciantes perceberam que as cédulas que o trio usava para comprar produtos no local eram falsas, mantiveram o grupo no local até o momento em que a Polícia Militar chegou. Com os suspeitos, foi apreendido um montante de R$ 2 mil. A polícia confirmou que, pelo menos, três cédulas da quantia encontrada eram falsas. Os homens e a mulher foram encaminhados para a Delegacia de Polícia Civil de São Bento e foram autuados pelo crime de estelionato. Já as cédulas falsas serão levadas para a sede da Polícia Federal do município de Patos, também no Sertão do estado. Grupo usava uma Kombi para transportar os produtos comprados com cédulas falsas Polícia Militar/Divulgação

  3. Acusado pode ter pena de 4 a 10 anos de prisão e pagamento de multa. Mandado de busca e apreensão, que resultou em prisão em flagrante, aconteceu na cidade de Bananeiras, na Paraíba PF/Divulgação O Ministério Público Federal (MPF) denunciou, nesta segunda-feira (11), um homem que reside em Bananeiras, na Paraíba, por crime de pornografia infantil. O acusado já havia tido a prisão preventiva decretada no dia 23 de maio de 2019, quando foi preso em flagrante durante a Operação Nêmesis, que aconteceu em outros sete estados e cumpriu 28 mandados de busca e apreensão no mesmo período. O homem armazenou em seu notebook de uso pessoal de forma livre e consciente, conteúdo de pornografia e também compartilhou o conteúdo na internet, segundo o MPF. Apesar de já estar em liberdade, mediante comparecimento mensal em juízo, o acusado pode ter pena de 4 a 10 anos de prisão e o pagamento de multa. A denúncia se baseia na comprovação de condutas ilícitas no período de novembro de 2017 a maio deste ano, ferindo o Estatuto da Criança e Adolescente (ECA), ao adquirir, possuir ou armazenar, por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outra forma de registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente. Ainda em abril deste ano, a Polícia Federal instaurou um inquérito no qual foram identificados vários compartilhamentos de arquivos contendo pornografia infantil, em Bananeiras, por meio da tecnologia "ponto-a-ponto", sistema em que há a possibilidade de compartilhamento direto de arquivos entre usuários em qualquer parte do mundo pela internet. A polícia identificou o usuário pelo provedor de internet e o MPF obteve na Justiça deferimento de medida cautelar, cumprida na prisão em flagrante. Na ocasião, foram apreendidos equipamentos eletrônicos e uma arma de fogo sem registro.

  4. Empresário, contador e funcionário da Thiago Calçados foram presos em 2016 por esquema de sonegação fiscal na Operação Cinderela. Dono, contador e funcionário de loja de calçados são condenados por crimes contra a ordem tributária, na Paraíba Ednaldo Araújo/TJPB Um empresário do ramo de calçados, o contador e um funcionário da empresa foram condenados por crimes contra a ordem tributária pela Justiça da Paraíba, em João Pessoa. Os condenados foram presos em 2016 na Operação Cinderela por um esquema de sonegação fiscal. Segundo a investigação, o grupo causou prejuízo de mais de R$ 133 milhões aos cofres públicos. Os réus responderam o processo e poderão recorrer em liberdade, de acordo com a sentença do juiz Geraldo Emílio Porto, da 7ª Vara Criminal da capital. O G1 entrou em contato com a defesa dos réus mas não teve as ligações atendidas. Segundo a denúncia do Ministério Público da Paraíba, o empresário Erivan Oliveira utilizava os serviços do contador, Alécio Alves que utilizava os dados do funcionário Jobson Silva para criar empresas de fachada que viabilizavam o funcionamento da Thiago Calçados, que estava com as inscrições estaduais canceladas. O dono da Thiago Calçados, Erivan Leandro de Oliveira, foi condenado a sete anos de reclusão e um ano e oito meses de detenção; o contador Alécio Clementino Alves foi condenado a cinco anos de reclusão; e o funcionário Jobson Medeiros da Silva, a cinco anos de reclusão, pela prática de crimes contra a ordem tributária.

  5. Informações são referentes aos resultados da avaliação realizada em 2018; UFPB e UFCG estão na lista. Veja os cursos de universidades públicas da Paraíba com nota máxima no Enade; UFPB está na lista Gabriel Costa/Arquivo Pessoal Um dia após a aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio 2019 (Enem), o G1 lista as graduações de universidades públicas da Paraíba que tiveram conceito cinco no último Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), realizado em 2018. Confira lista abaixo. Das quatro instituições públicas de ensino superior presentes no estado, duas garantiram alguma nota máxima na última avaliação. A prova do Enade avalia o rendimento dos estudantes concluintes dos cursos de graduação. Universidade Federal da Paraíba Dos 17 cursos avaliados, quatro obtiveram conceito máximo no último exame. Com nota cinco, os cursos de Direito, Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, Psicologia e Relações Internacionais - todos do Campus João Pessoa - são destaques na instituição. Direito De acordo com a coordenadoria do curso, o curso é dividido em oito períodos, totalizando uma carga horária de 4.245 horas, incluindo conteúdo básico profissional, conteúdo complementar obrigatório, optativo e flexível. A graduação dispõe de grupos e projetos de pesquisa, além de projetos de extensão. Comunicação Social / Jornalismo Segundo o Departamento de Jornalismo (DEJOR), a graduação, dividida em oito períodos, conta com 16 professores, doutores e mestres, na grade curricular. Além do ensino, os professores desenvolvem projetos de pesquisa e extensão para a comunidade, dos quais os estudantes participam. Psicologia (bacharelado e licenciatura) Segundo informações do departamento do curso, a graduação possui vários projetos de pesquisa e extensão em diferentes áreas da psicologia, e oferece, também, um ensino diversificado. O departamento conta com os cursos de graduação, na modalidade bacharelado (dez períodos) e licenciatura (oito períodos), e ainda tem as pós-graduações em psicologia social e em neurociências, além dos serviços à sociedade, ligados à formação dos estudantes, como a Clínica de Psicologia e a Empresa de Consultoria na área. Relações internacionais De acordo com informações do departamento da graduação, a graduação é composta, atualmente, por 15 professores, que também integram programas de pós-graduação em ciência política e relações internacionais e de gestão pública e cooperação Internacional. O curso é dividido em nove períodos, com uma grade curricular composta de disciplinas obrigatórias e optativas. Os projetos de extensão em destaque são o Panorama Internacional e o Observatório do Desenvolvimento Sustentável. Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) Nove cursos da UFCG foram avaliados no último Enade. Desses, apenas o curso de psicologia (bacharelado) garantiu o conceito máximo do exame, com nota cinco. Psicologia (bacharelado) Assim como a graduação da UFCG, o curso na modalidade bacharelado, ministrado à noite, é dividido em dez períodos, com 50 disciplinas ministradas ao longo da graduação. De acordo com a universidade, “o curso de Psicologia oferecido no Campus Sede, “fundamenta sua produção de conhecimento no sentido de desenvolver habilidades e competências para que o psicólogo possa atuar e intervir em diferentes contextos”.

  6. Maria Lys continua sem sentar, engatinhar, andar, falar ou comer normalmente como uma criança de quatro anos faria. Maria Lys, com quase quatro anos de idade, e Camilla (mãe), em João Pessoa Dani Fechine/G1 Maria Lys completa quatro anos no dia 8 de dezembro. Um mês depois dos quatro anos do decreto de epidemia de microcefalia como Situação de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional, anunciada pelo Ministério da Saúde. Os números, na Paraíba, diminuíram drasticamente, mas muitas crianças que nasceram em 2015, pouco evoluíram. Maria Lys continua sem sentar, engatinhar, andar, falar ou comer normalmente como uma criança de quatro anos faria. “É eu e ela, não existe mais ninguém. Eu durmo com ela, acordo com ela, tomo café com ela, almoço com ela, faço tudo com ela”, revela a mãe Camilla, de 24 anos. Maria Lys com três anos Maria Lys com dois anos Maria Lys com um ano Quem entra na casa da avó de Maria Lys, onde voltou a morar com a mãe, encontra já na sala a cadeira rosa, feita para acomodar a pequena que não sustenta sequer o pescoço. A cadeira especial, rosa pink, foi dada por uma mulher de Minas Gerais que, há um ano, leu o retrospecto de três anos da criança no G1 e se solidarizou com a família. Da mesma forma, uma pessoa do Rio de Janeiro presenteou Camilla com uma cadeira de banho adaptada para Maria Lys. Assim, elas vão, juntas, vencendo um pouco a cada dia. Na carteira, apenas R$ 998 pagos por meio do Benefício de Prestação Continuada (BPC), o mesmo que começou a receber quando Lys nasceu. Além disso, recebe R$ 100 do pai da criança. Foi o que conseguiu. Amor, carinho e atenção não vieram junto com o envelope. Camilla abdicou da vida dela para viver a de Maria Lys. Chora muito quando relembra o que já passou para garantir, pelo menos, a sobrevivência da filha. Mas só em pensar em perdê-la, cai em lágrimas. Em 2015, de acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), foram 101 casos confirmados de microcefalia provocada pelo zika vírus e 91 em 2016. No entanto, em 2017 o número caiu 90%, com apenas 9 casos confirmados, aumentando para 16 em 2018. Até o fim de setembro de 2019, três casos foram confirmados na Paraíba. Lys faz parte dos primeiros registros e pouco evoluiu. Maria Lys na cadeira que ganhou e que a ajuda a sustentar melhor o corpo Dani Fechine/G1 Rotina de médicos e terapias Na casa onde Maria Lys mora estão ainda a avó, o sobrinho dela, que também é uma criança de cinco anos, e a segunda filha de Camilla. O único dinheiro que faz a renda da família é o de dona Carmem Lúcia, que trabalha de manhã e de tarde, porque o dinheiro do benefício de Lys é o suficiente apenas para as necessidades da criança. O apartamento que recebeu da prefeitura custa R$ 80 por mês, mais R$ 25 de condomínio. Precisa pagar mesmo sem morar no local, porque se parar perde o apartamento. Apenas um pacote de fralda custa R$ 85, mas Lys precisa usar 24 horas por dia. Precisa tomar um leite especial, para engordar, mas custa R$ 60. Então consome qualquer um e o especial fica apenas para o turno da noite. É como Camilla consegue economizar. O espessante que Maria Lys também precisa usar para qualquer líquido - porque se não se engasga - entra alto no orçamento, variando de R$ 60 a R$ 80. “Ela usa espessante para água, remédios, fraldas, leite, pomada, tudo que um bebê usa, porque ela ainda é praticamente um bebê”, revela Camilla. Maria Lys ainda administra três remédios. O SUS não oferece nenhum. Uma das poucas expressões de Maria Lys é o sorriso Dani Fechine/G1 Apenas na segunda e terça-feira é que Camilla e Lys não estão muito ocupadas. Nos outros dias, a pequena precisa ir para o dentista, para a fisioterapia, ortoterapia, equoterapia, estimulação visual e fonoaudióloga, e outras terapias que precisa para pelo menos manter a vida que tem desde que nasceu. Os lugares das terapias, no entanto, são diferentes. Camilla precisa sair do bairro de Mangabeira, de transporte por aplicativo, porque a menina já está pesada o suficiente para ser levada no colo, até o bairro dos Estados, Água Fria, e bairros que são mais distantes de onde mora. “Eu vou para todo canto com ela na cadeira, mas tem que desmontar, colocar no carro… Tem motorista que ajuda, outros não”, desabafa Camilla. Há um ano, quando o G1 conversou com Camilla sobre a evolução de Lys e a rotina com a criança, a prefeitura de João Pessoa disse que entregaria um novo serviço para assistência às crianças com microcefalia e suas famílias. O Centro Dia de Microcefalia funciona nos turnos da manhã e tarde e atende crianças com microcefalia de 0 a 6 anos. De acordo com a Secretaria de Desenvolvimento Social, a capacidade do local é de até 45 famílias. As crianças recebem os cuidados de alimentação, higiene e atividades ocupacionais que ajudam no desenvolvimento de suas capacidades motoras, principalmente. "As crianças realizam atividades de cuidados básicos através de uma equipe multidisciplinar especializada com terapeuta ocupacional, fisioterapeuta, assistente social, cuidadores, psicóloga, além de assistência hospitalar. Esse apoio e orientação aos familiares é principalmente para fortalecer o papel protetivo dessas famílias. Também são oferecidas oficinas, workshops e palestras para que as mães e as famílias se sintam valorizadas e inseridas na sociedade", informou a prefeitura. Maria Lys sentada no sofá de casa, em João Pessoa Dani Fechine/G1 O Centro Dia de Microcefalia foi criado no mês de junho deste ano. No entanto, Camilla acha que não foi o suficiente. Na terça-feira, passa o dia no local. Segundo ela, ajuda muito quando precisa ir para alguma terapia, porque é mais perto do que a casa onde mora. Mas se preocupa com a quantidade de terapias oferecidas no local. “Se eu deixar Maria Lys lá quem vai levar ela para os outros tratamentos?”, se pergunta. Portanto, para ela Camilla e, segundo ela, para muitas outras mães, o espaço é uma ótima ajuda, mas serve apenas como apoio. “Para deixar minha filha lá e ir trabalhar, não”, enfatiza. Antes, Camilla até pensava em fazer uma graduação, ter uma profissão, inclusive, que ajudasse no tratamento da filha. Mas as perspectivas de futuro, com a pouca evolução de Maria Lys, estão a cada ano menores. A menina não senta, não anda, não fala, sequer sustenta a cabeça. Se Camilla a chama, ela olha, sorri, mas não reage fisicamente. A audição dela é perfeita, mas não enxerga nitidamente nem com os óculos. Chora e sorri. Pela falta de respostas, Camilla parou de pensar um pouco no seu futuro e passou a pensar mais no da filha. “Tem dia que estou conformada, tem dia que fico me perguntando se algo vai acontecer com ela, se ela vai chegar até uma idade avançada. Tem dia que eu estou bem, mas tem outros que me faço mil perguntas. Nunca imaginei que fosse passar por isso, nunca imaginei que fosse tão difícil. Ninguém sabe o que eu passo com minha filha. Independente de tudo, eu amo ela (sic). Se eu a perder, acho que eu não consigo mais viver”, desabafa sem conter as lágrimas. Os médicos, no entanto, não dão nenhuma garantia. Dizem que o processo é lento e que Camilla precisa continuar insistindo nas terapias, mas não dão nenhuma previsão. “A microcefalia é diferente da de outras crianças. A síndrome, né, a microcefalia foi só uma característica. Não dá pra comparar. Eu não sei como seria se eu não fizesse as terapias, não sei se ela não estaria assim”, conta. Quatro anos após descobrir Zika Congênita, Maria Lys pouco evoluiu Dani Fechine/G1 'Mãe, você teve zika?' Era 2016 e Camilla tinha 22 anos. No relógio marcava 9h quando a avó de Lys abriu a porta. Camilla ainda dormia porque, naquela noite e em algumas semanas anteriores, não conseguiu pregar o olho. Maria Lys demonstrou em choro uma irritação que nem mesmo a mãe compreendia. As duas só conseguiram dormir quando o dia amanheceu, numa nova tentativa de recomeçar. Camilla deu um jeito qualquer no cabelo, vestiu uma roupa e chegou ao terraço. Ainda sem Lys nos braços, contou como tudo começou. Poucos minutos depois, os choros de Lys recomeçaram. Queria o colo da mãe: único lugar que encontrava tranquilidade e ficava em silêncio. A gravidez veio junto com os noticiários alertando para o vírus da zika. Começou a temer a gestação. Postergou. Apenas aos nove meses recebeu a notícia: “Mãe, você teve zika?”, o médico perguntou. Nesse momento, Camilla abaixou a cabeça e chorou. Maria Lys nasceria com microcefalia. Na primeira oportunidade foi até a médica que acompanhou a gravidez. Ouviu que a filha nasceria bem e que só ao longo do tempo saberia as diferenças de Lys em relação aos outros bebês. Maria Lys nasceu com um perímetro cefálico de 26 cm. Fotos do aniversário de um ano de Maria Lys Dani Fechine/G1 Em 2019 não tem festa Maria Lys completa quatro anos no dia 8 de dezembro. Todos os anos anteriores, Camilla sempre fez questão de fazer uma festa para comemorar o aniversário da filha. Juntava um pouco a cada vez e fazia a comemoração. Mesmo sem interagir, Lys sorria durante todo o tempo. Era um momento para esquecer os problemas e lembrar de celebrar a vida. No primeiro aninho, a festa foi para ficar registrada em álbum, para toda família ver no futuro. No braço a todo tempo, Maria Lys mostrou no olhar que estava feliz com as bolas, o bolo e uma linda decoração. Mas em 2019 de novo, no aniversário de quatro anos, não haverá festa. "Foi muito gasto esse ano e principalmente esse mês. Muito tratamento, muita consulta médica, muito remédio. Queria muito fazer do tema de Ariel, por mim eu comemorava todo ano, mas esse ano não dá", lamenta Camilla. Parece que "os parabéns" vão passar em branco. Mas a vida de Maria Lys continua com todos os obstáculos. Consultas, exames, terapias. Quatro anos de uma mesma rotina, sem mudança, sem evolução. Camilla chora. Mas imediatamente limpa as lágrimas. Sabe que precisa lutar pela vida da filha. Hoje também é dia de comemorar.

  7. No local será iniciada a construção de um residencial para os moradores; 157 famílias vão receber auxílio-aluguel até a entrega da obra. Moradores da comunidade do 'S', em João Pessoa, são transferidas para casas alugadas Divulgação/Secom-JP Moradores da comunidade do ‘S’, no bairro do Róger, em João Pessoa, foram transferidos do local, na manhã desta segunda-feira (11). No local das casas, que foram feitas em cima de uma rede de esgoto, será construído um residencial com 437 unidades habitacionais. Até a entrega da obra, a famílias passam a receber um auxílio-aluguel da prefeitura no valor de R$ 350. De acordo com prefeitura, nesta primeira etapa, as obras têm continuidade com a construção de ciclovias, praças, quadras de esportes, espaço para comércio, galpão da Ala Ursa, caiçara dos pescadores (local para eles guardarem o material da pesca) e a recuperação ambiental. Já com a saída das famílias da comunidade, será iniciada a obra do residencial para onde elas vão retornar. Além disso, os serviços de construção de ruas, pavimentação, anfiteatro, salão de convivência e rede de água, esgoto e drenagem já foram iniciadas. O investimento no projeto de infraestrutura e urbanização é de R$ 7,3 milhões. O trabalho de transferência das famílias e derrubada das casas contou com a ação integrada das secretarias de Infraestrutura, Meio Ambiente, Defesa Civil, Desenvolvimento Urbano e Guarda Municipal.
  8. Irmão da menina presenciou o crime e contou à mãe, que denunciou o caso à polícia. Um homem de 24 anos foi preso em flagrante na noite do sábado (9) suspeito de estuprar a enteada dele, de 12 anos. De acordo com o delegado da Polícia Civil de Itaporanga, Renato Anderson, que acompanha o caso, o irmão da menina presenciou o crime e contou à mãe, que denunciou o caso à polícia. Segundo relato da mãe da vítima à polícia, o companheiro dela teria chegado em casa embriagado. Enquanto a menina estava deitada em um dos quartos, o suspeito teria acariciado as partes íntimas da criança. O irmão da menina teria presenciado o crime e, após a mãe da criança descobrir o caso, o homem foi preso em flagrante. O suspeito foi conduzido à Delegacia de Polícia Civil de Itaporanga e autuado por estupro de vulnerável. Na manhã desta segunda-feira (11), o delegado informou que a menina passou por exame de corpo de delito e que o homem foi encaminhado à Cadeia Pública de Piancó, onde permanece à disposição da Justiça.

  9. Acidente aconteceu após criança perder o controle do animal, atropelar um menino de três anos e ficar com o pé preso no estribo; as duas vítimas foram encaminhadas para o Trauma. Menina de 11 anos fica ferida após ser arrastada por cavalo, em João Pessoa Reprodução/TV Cabo Branco Uma menina de 11 anos, que estava montada em um cavalo, ficou ferida após atropelar uma criança de três anos, ficar com o pé preso no estribo e ser arrastada pelo animal. O acidente aconteceu no bairro dos Novais, em João Pessoa, na noite deste domingo (10). As duas vítimas foram atendidas pelo Serviço de Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e em seguida encaminhadas para o Hospital de Trauma. Ao G1, o socorrista do Samu, Arthur Lucena, informou que a menina foi arrastada por cerca de 40 metros e sofreu vários cortes na cabeça com exposição da calota craniana, ferimentos no rosto e corpo, além da suspeita de fratura na perna. Já o menino de três anos sofreu uma pancada na cabeça e estava bastante sonolento no primeiro atendimento. De acordo com a assessoria do Hospital de Trauma, a criança recebeu alta na manhã desta segunda-feira (11), já a vítima de 11 anos permanece internada com estado de saúde considerado estável.

  10. Convocação foi publicada no Diário Oficial da União. São 217 novos servidores que terão até 30 dias para se apresentarem para a posse. UFPB passa a ter 217 novos servidores nomeados Gabriel Costa/Arquivo Pessoal A Universidade Federal da Paraíba convocou 217 aprovados no último concurso público realizado pela instituição para ser nomeado em caráter efetivo como novos servidores. Os nomes dos convocados estão num conjunto de três portarias assinadas pela reitora Margareth Diniz, datadas de 6, 7 e 8 de novembro de 2019, mas todas publicadas no Diário Oficial da União desta segunda-feira (11). Confira a lista de todos os nomeados como novos servidores efetivos da UFPB A convocação lembra que o edital do concurso público foi publicado em 31 de dezembro de 2018 e os demais processos realizados ao longo deste ano. Agora, os aprovados convocados têm 30 dias para se apresentarem à instituição para tomar posse em seus respectivos cargos. Os convocados são de diversos cargos. E esta já é a segunda lista de convocados a ser publicado. Isso porque, em 7 de setembro, 76 aprovados já tinham sido nomeados. No fim das contas, foram convocados mais pessoas do que o previsto. Inicialmente, o concurso previa 132 vagas para 44 cargos.

On-Line

Temos 119 visitantes e Um membro online

  • charles

Previsão do Tempo

Facebook

Template Settings
Select color sample for all parameters
Red Green Blue Gray
Background Color
Text Color
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Scroll to top